terça-feira, junho 06, 2006

Laudas & Golos



Pronto: vamos falar no Belenenses. Não do Gil Vicente pois deles não me interessa, nunca fui a Barcelos e não tenho nenhum galo pintalgado em casa, e o máximo que neles penso é que tratem da sua vidinha e não se metam assim nas amarelas, como inegavelmente o fizeram nesta ópera bufa toda.

O Belenenses está a ganhar na secretaria o que perdeu em campo. Só um cego, um burro, um abjecto estúpido o negará. Dá-me preocupante comichão esta situação, quase sarna daquela que doura os apitos dos campeões, vice-campeões, e por aí fora, enfim o meu orgulho em passar ao lado da lama e dos seus espirros esvai-se e vejo com muita apreensão o meu futuro desportivo-social. Por muito que seja verdade que "lei é lei" não me vejo (nem me desejo ver, por saúde!) a invocá-la e a assim contra-argumentar nos muitos anos que me aguardam a ouvir piadas sobre o Gil Vicente e a fuga à despromoção desportiva conseguida em terrenos onde as equipas são outras.

O Belenenses desceu de divisão desportivamente, perdeu porque jogou para o empate, e é imoral este tardio empenho rumo à vitória, ora na secretaria. Vitória que foi olhada com displicência demasiadas vezes noventa minutos, a agravar nos cruciais para o destino da equipa, para o da empresa que está por detrás dela e lhe faz contratos milionários, modestos se comparados com os feitos pelos potentados com pés de barro mas, mesmo assim, milionários face aos comuns dos mortais: nós os adeptos dum Clube e dum Emblema, duma tradição desportiva.

Vou estar "anos" sem falar de futebol. Agora, só se o Belenenses for campeão ou ganhar a taça, vice-campeão, no mínimo chegar às europeias, é que o meu orgulho poderá ser recuperado a nível igual ao que tinha até esta história dos requerimentos ter aparecido nos jornais ainda se ouviam os apitos da última jornada: a velha história do pobre mas digno, muita dignidade na vida modesta e com orgulho por ela ser honesta. Menos que isto e vou continuar a sentir-me humilhado por só ter em braços laudas e sentenças, vitórias em nada desportivas pois nem têm golos nem penaltys perdoados, pontapés ao lado ou nas canelas do adversário: linhas que falam de futebol sem o verem ou jogarem, taças cheias de linhas de leis que conspurcam a beleza do imprevisível dum jogo de futebol, jogado. Cheiro a bolor quando se pensa no que se respira nos estádios onde, note quem não repara, joga-se à bola taco-a-taco, finta-se e marcam-se golos, numas vezes limpinhos noutras daqueles mais que suspeitos que ganham a imortalidade na polémica que se lhes cola.

A terminar deixo mais um desejo, a tal flor em cima do bolo: que a final da taça seja o Gil Vicente com o Belenenses onde ganhará o que mais golos marcar, sejam eles de cabeça, de cú, ou com o pé. Golos. Golos que passem na TV em câmara lenta e incendeiem paixões e gerem ódios, mas golos e não riscos de tinta, câmara lenta onde só leio que, afinal, a Justiça tem momentos em que além de lenta não é nada justa.

[Mas levo muito a sério esta posição, (blogue onde gamei a foto da bandeira) e entendo e percebo as razões explicadas. Mais outras que ainda virão ou já por aí andam: a minha leitura da situação está demasiado 'a quente' e desde que soube da notícia ainda não visitei nenhuma das capelinhas de salmo indispensável numa situação destas. Há tempo, até porque prevejo momentos de leitura muito tristes quando se 'falar' de bola]

0 Comments:

Enviar um comentário

Links to this post:

Criar uma hiperligação

<< Home