segunda-feira, janeiro 22, 2007

Ironias da História: as cruzes


José era carpinteiro. Por conta própria. É de presumir que, à epoca e local, o 'negócio das cruzes', se ocorria, tivesse um valor significativo no seu negócio e que ele não podia menosprezar.
Depois foi o que se sabe. Menos sobre o carpinteiro e o registo das cruzes que terá feito, se ganharam caruncho em armazéns do xerife local ou se passaram à História imortalizadas em belos e significativos óleos.
Há profissões que parecem inócuas mas são autênticas danadas, e há pormenores matriciais que são incómodos quando neles se repara. Hoje, as cruzes do passado. Amanhã? a sede por mais cruzes anda sempre no ar, e aspirantes a carpinteiros há sempre tantos...
Saddam sabe-o, ora a título póstumo.

(foto de cruz goggle-encontrada aqui, The Chevin Cross.) Aproveito e deixo o poema que lá encontrei:

....


....
It may not be the "true" Cross

But it reminds us of the pain

Suffered by Our Saviour

So that we might live again.

He bore it without hatred

He could not have loved us more

He shed for us his precious blood

In a far off land, in days of yore

....

I wonder what went through his mind

As he trudged along the road

With the sins of man upon his back

It was a heavy load.

How will we explain to him

When we meet him face to face

All the sins we had forgotten

And how we fell from grace

I hope that when my time arrives

The Good Lord will grant me rest

I will be able to look Him in the eye

And say "I tried my best".

....
Jackie McDonald

0 Comments:

Enviar um comentário

Links to this post:

Criar uma hiperligação

<< Home