terça-feira, outubro 17, 2006




ao balcão da pastelaria
dou trincadinhas no bolo-de-arroz e golinhos na bica;
e, em pé, migalho os meus melhores poemas
doidas rimas de novo dia.

depois acendo o cigarrinho da ordem
bulo o verbo e acerto a métrica
sorvo o fumo e vejo as horas,
mato a minha poesia.

Fumar Mata, poetas em pé incluídos

(imagem macabra daqui)

0 Comments:

Enviar um comentário

Links to this post:

Criar uma hiperligação

<< Home