sábado, fevereiro 03, 2007

madeiras raras


ou seja, e se bem percebi:

- o país é competitivo para os investidores da globalização porque, entre outras virtudes que terá, pratica dos salários mais miúdinhos da CE, fora as recentes adjacências;

- é necessário investimento para a) relançar a economia do país; b) gerar emprego e qualidade de vida aos residentes;

- "amanhã" um pinho-romeno ou outra madeira rara qualquer duma floresta qualquer dum novo-CE qualquer, vai a Pequim e canta-lhes a mesma loa, diz-lhes, conta-lhes "verdades nuas e cruas". atrai pela frontalidade e, não esquecer, pelos espantosos baixos salários que os seus 'eleitores' têm;

- os investidores abalam a correr, 'deslocalizam' (resumo antecipado: "quem tem pinho tem tudo, quem não o tem deslocaliza para onde o haja")

- a competividade do país volta ao seu estado natural, bruto: a madeira de pinho e o cavaco. bem simplex, afinal. o resto é Sol e folclore, pois até as praias precavidamente se deslocalizam para o fundo dos mares.

- o pinho estala, fenece, cavaca, apanha um avião e, frontal, vai fazer um discurso em Reijvkavik ou no Turquemenistão. e os ciclos económicos esticam, esticam, sem se 'deslocalizarem' para índices positivos.



Merda para um ministro da economia assim. Se o Vasco deixasse até o João César das Neves fazia melhor.


alcatrão e penas à Portela, já!


da imagem: meti no Google-Imagens "burro + ministro" e saiu esta em primeiro lugar. fica. encontrada aqui.

1 Comments:

Anonymous Anónimo said...

E bombinhas de carnaval, a cheirar à bosta respectiva... - beijo para ti, muf'

11:19 da tarde  

Enviar um comentário

Links to this post:

Criar uma hiperligação

<< Home